Você sabe como surgiu o lápis? - Mundo de Notícias

Você sabe como surgiu o lápis?

Para escrever, desenhar ou rolar entre os dedos, o lápis é um item comum e relativamente acessível à maioria das pessoas.

Anúncios

Como suas linhas podem ser facilmente desligadas do papel, seu uso na escola é praticamente regra, mas não veio com grafite emburlado em madeira.

Por volta de 1500, uma grande oferta de grafite natural foi descoberta na Inglaterra, e a partir daí iniciou-se a produção de varetas maciças do material, que inicialmente eram envoltas em cordas ou pele de carneiro, o que as tornava mais fáceis de manusear.

Como as notícias do novo material se espalharam principalmente entre os artistas, mas o grafite, além da escrita ou da pintura, funcionava perfeitamente como forma de produção de canhões, assim a Coroa Britânica assumiu o controle da indústria mineira, tornando-a uma oferta limitada.

O lápis como o conhecemos hoje foi feito pela primeira vez por uma família na Itália em 1560, que juntou dois pedaços de madeira e o coloriu em torno de um bastão de grafite, mesmo processo usado hoje.

Anúncios

A grande revolução próxima ao objeto indispensável ocorreu em 1794 e foi de responsabilidade do francês Nicolas Jacques-Comte, oficial do exército de Napoleão.

Devido a bloqueios comerciais, a França não podia importar grafite puro da Inglaterra, tornando-o mais raro do que era, por isso desenvolveram um método de misturar grafite com argila.

Esse composto foi moldado em palitos e depois levado ao forno.

Uma grande tcninica

Essa técnica ainda permitia controlar uma intensidade das marcas dejadas no papel.

Anúncios

Um pouco mais tarde, utilizando esta técnica, Lothar von Faber estabeleceu o padrão de dureza do lápis que usamos até hoje.

Afinal as graduações disponíveis vão de B a 9B.

Que dá um traço suave e escuro usado principalmente para desenho, e de 2H a 9H, que tem um traço mais claro e mais duro usado para desenhos técnicos.

Afinal as letras referem-se às palavras inglesas Black e Hard. Entre essas duas notas estão HB, F e H, que têm traços médios e são ideais para escrita, além de 2B.

Os EUA usam uma nomenclatura diferente, que vai de 1 a 4, mas a ideia é a mesma, pois o 2 deles equivale ao nosso HB.

Na antiguidade classica, tanto os gregos como os romanos já utilizavam ferramentas como lápis; eram hastes roundas de chumbo usadas para desenhar, tracar e escriver linhas.

Um grande século para o lápis 

No século XVII, carpinteiros da cidade alemã de Nuremberg começaram a produzir lápis e.

No século seguinte, o monopólio foi quebrado por escritórios famosos como Caspar Faber (1761), um fabricante líder cujo nome sobrevive até hoje.

Em 1795, o químico francês Nicolas-Jacques Conte desenvolveu o moderno processo de produção de chumbo combinando grafite em pó com argila.

Afinal após a fundição, endureceu em altas temperaturas, de modo que a grafite desenvolveu diferentes graus de dureza.

Outras inovações levaram à industrialização da produção de chumbo e à introdução de classes e máquinas que aumentaram muito a velocidade de produção e melhoraram a precisão da forma (tubular ou hexagonal) e a precisão final.

No século XIX e início do século XX, além dos lápis de grafite, os alunos das escolas usavam lápis de ardósia e pedra-sabão muito macios para fazer desenhos pretos nas salas de aula mais difíceis.

Em 1925, Hermann Fehr, dono de uma oficina de carpintaria, e Fritz Johansen.

Carpinteiro com formação dinamarquesa, estabeleceram uma fábrica de chumbo em São Carlos do Pinhal.

Conclusão

Provavelmente a primeira fábrica de chumbo no estado de São Paulo.

Paralelamente, em Campinas, Gabriel Pentedo e Luis Faber.

Engenheiros da Companhia Paulista de Estradas de Ferro e posteriormente proprietários de fornos, estabeleceram uma fábrica de chumbo.

Em 1930, Hermann Fehr colaborou com a fábrica alemã Faber-Castell, onde eram produzidas 172.800 unidades anualmente.

A Faber-Castell produz atualmente impressionantes 1,5 bilhão de lápis e núcleos de grafite em três fábricas no Brasil.

Afinal a coluna de Louise Felipe Ponde hoje é tão ácida quanto eu gosto.

Se a filosofia já escolheu os “especialistas”, que prepararam dinheiro caro para mostrar o quanto estão preocupados com os pobres africanos, com a destruição do planeta e a perda das baleias, agora atacam as mesmas espécies, talvez até as mesmas.

pesos Eles veneram o odier ou o capitalismo.

É popular em certos círculos que o capitalismo, a ganância e o dinheiro são melhores.

Quando se vive pelo dinheiro temos mais ganância e lucro do que o capitalismo pode proporcionar.

Isto é o que vemos aqui. pessoas ricas que viajam pelo mundo a negócios.

Bebem bons vinhos, compram as malas ou roupas mais caras e depois descarregam todo o seu ódio no materialismo capitalista.


Fonte de informação: noticiasagricolas.com.br

Calculadora de Empréstimos




Resultados:

Prestação Mensal:

Custo Total do Empréstimo:

Juros Totais Pagos: