O deslike do Youtube faz diferença? - Mundo de Notícias

O deslike do Youtube faz diferença?

Um estudo da Mozilla revelou que pressionar o botão “Curtir” faz pouco para evitar maus conselhos no YouTube.

Anúncios

Na prática, esse recurso ajuda você a classificar os vídeos, mas não é uma maneira muito eficaz de controlar o que você vê na plataforma.

A pesquisa foi realizada com 22.000 usuários que instalaram um plugin de código aberto chamado RegretsReporter.

Essa ferramenta coleta dados sobre as recomendações das pessoas no YouTube e compara dados sobre suas ações.

Mais de 567.000 vídeos foram analisados ​​e 2.758 pessoas foram entrevistadas para criar o estudo.

Anúncios

De acordo com o resultado, apenas 12% dos redirecionamentos de vídeo indesejados foram interrompidos após o uso do botão.

Para chegar a essa conclusão, a equipe identificou um vídeo semelhante como uma recomendação ruim ou indesejada que havia sido rejeitada anteriormente.

O estudo também descobriu que a opção “não estou interessado” funcionou corretamente para apenas 11% dos redirecionamentos fracos.

A opção “Remover do histórico de reprodução” foi um pouco mais eficaz: 29% dos vídeos indesejados pararam de ser exibidos.

Anúncios

No entanto, a maneira oficial mais eficaz de bloquear recomendações ruins foi selecionar “não recomendar um canal”.

Com cerca de 43% das sugestões bloqueadas.

Dito isto, esta opção é uma das mais sérias, pois atrapalha o fluxo de todos os vídeos desse provedor de conteúdo e apenas parte do conteúdo pode incomodá-lo.

O algoritmo de recomendação do YouTube é o culpado

De acordo com a Mozilla, nenhum dos controles do YouTube permitiu que as pessoas evitassem pelo menos metade das recomendações ruins.

Alguns usuários tiveram que recorrer a medidas externas, como ficar incógnito, usar uma VPN.

Baixar extensões de privacidade em seus navegadores ou excluir cookies regularmente.

Na maioria dos casos, a solução mais eficaz, segundo o estudo, foi criar uma conta com acesso privado a alguns vídeos no site.

Essa é uma medida extrema que nenhum serviço deseja, pois exige muito trabalho do espectador e pode desanimar as pessoas.

De acordo com a Mozilla, a solução seria criar dispositivos de gerenciamento de conteúdo mais fáceis, compreensíveis e atraentes.

Não adianta pressionar um botão expressando descontentamento com um vídeo se o algoritmo de recomendação continuar mostrando as mesmas coisas.

O Canaltech entrou em contato com o advogado do YouTube no Brasil, mas ainda não obteve retorno. O texto será atualizado caso a empresa se posicione.


*Fonte de pesquisa: Canaltech

Calculadora de Empréstimos




Resultados:

Prestação Mensal:

Custo Total do Empréstimo:

Juros Totais Pagos: